Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Até breve!

por Ana Vidal, em 18.10.11

De partida para o Brasil, onde vou para lançar este livro:

 

 

É este o programa das festas:

 

26 Outubro - Lançamento no Rio de Janeiro (cocktail no Jardim Botânico)

27 Outubro - Lançamento em S. Paulo (Câmara de Comércio, jantar de homenagem ao presidente português)

29 Outubro - Lançamento em S. Paulo (Casa Guilherme de Almeida, tertúlia literária)

 

Volto no princípio de Novembro. Até lá, sempre que puder prometo ir mandando notícias.

Deixo-vos alguns excertos do meu texto de introdução, que explicam sumariamente o livro.

 


Há muito tempo que versos e petiscos se cozinhavam na minha mente, em lume brando, como convém a uma receita que se quer apurada, insinuando no meu espírito aromas irresistíveis de cozinha de infância. Nasci numa família em que a gastronomia foi sempre – ao longo de gerações – um culto e um prazer, com honras de biblioteca e pesando, até, na escolha de itinerários de viagem. E o que pode haver de mais poético do que as memórias de um tempo em que tudo era assim, brando e promissor, sem pressas nem atropelos, apesar da sede imensa de uma vida inteira pela frente, por beber ainda?

 

Enquanto tudo se espera, tudo pode acontecer…

 

A ideia de reunir num mesmo livro duas das minhas paixões – a poesia e a gastronomia (na sua vertente culinária) – foi tomando forma naturalmente, deixando-me água na boca e na imaginação. Impunha-se encontrar uma fórmula original, que glorificasse igualmente as duas artes e as casasse harmoniosamente, prevenindo o risco de divórcio. Ambas são de personalidade forte e muita sensibilidade: nubentes difíceis, portanto. Mas possíveis, porque iluminadas pela mesma chama. Agostinho da Silva afirma-o, como ninguém, num dos seus pequenos e magníficos poemas:

 

A quem faz pão ou poema

só se muda o jeito à mão

e não o tema.

 

(...)  Inspirei-me ainda na ancestralidade desse misterioso, complexo e tantas vezes incompreendido universo feminino, a que naturalmente pertenço, expresso com golpe de asa e mestria neste verso de Ana Luísa Amaral:

 

E descascar ervilhas ao ritmo de um verso:

A prosódia da mão, a ervilha dançando

em redondilha.

 

Enfim, descoberta a fórmula – uma antologia de poesia lusófona, em que cada texto contivesse pelo menos uma referência culinária e esta pudesse dar origem a uma receita, lancei-me à saborosa tarefa da pesquisa de poemas. Encontrei, naturalmente, muitos mais do que os que constam neste livro, mas seria impossível apresentar aqui essa recolha exaustiva. A escolha dos poetas presentes nesta antologia não cedeu a quaisquer critérios ideológicos (políticos, religiosos ou outros). O único denominador comum que aqui se poderá deparar, além do tema, é a PALAVRA – e, por maioria de razão, a palavra poética – livre por natureza. Privilegiou-se, isso sim, uma representação tão abrangente quanto possível, no tempo, no espaço geográfico e no estilo. Por isso se encontrarão clássicos e desconhecidos, dispostos nestas páginas de forma propositadamente aleatória.

 

A qualidade dos poetas e dos poemas exigia igual rigor na escolha das receitas culinárias, razão pela qual elas foram entregues a alguns dos maiores magos da actual cozinha lusófona. Com as asas próprias dos artistas – e eles são-no, de pleno direito – inspiraram-se nos poemas que receberam como desafio, deixando-se contagiar pelo espírito e ambiente das palavras, e, acrescentando-lhes rasgo e técnica, enriqueceram este livro com as suas extraordinárias criações.

 

Finalmente, os artistas plásticos que, com as suas obras de arte, adicionaram forma e cor a esta aventura sensorial e assim a engrandeceram excepcionalmente. O universo de selecção foi o mesmo que para poetas e cozinheiros: os países de língua portuguesa como nacionalidade dos artistas. Dos clássicos e tradicionais bodégons à expressão livre do abstraccionismo contemporâneo, da pintura à escultura, passando pela cerâmica, estas obras são o perfeito contraponto para poemas e receitas.

 

(...) Quanto ao título, surgiu-me com a maior das naturalidades: a proclamação apaixonada de Natália Correia, na sua “Defesa do Poeta”, não poderia ser mais apropriada e consentânea com o espírito deste livro. Faço minhas as suas palavras: a poesia é para comer, sim. É alimento vital, calórico e energético, que nos deixa lambuzados os dedos da alma, e a chorar por mais. É um alimento tão precioso e essencial como o que damos ao corpo. E, tal como esse, igualmente perigoso: se mal usado, pode matar-nos de fartura enquanto nos promete a vida eterna.                         

Autoria e outros dados (tags, etc)


28 comentários

Imagem de perfil

De Leonor Barros a 18.10.2011 às 14:22

Muito bem, Ana! Muitos parabéns e que corra tudo muito bem no Brasil.
Sem imagem de perfil

De Ana de Sá a 18.10.2011 às 14:37

A introdução está magnífica e o livro promete ser uma verdadeira Delícia!
Parabéns e até breve.

Sem imagem de perfil

De Anónimo Desconhecido a 18.10.2011 às 14:49

Peço que me perdoe a ignorância, mas pelo que percebi, nem os poemas nem as receitas são suas, qual foi a sua mais valia para este livro ?
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 18.10.2011 às 19:18

A mesma que para responder-lhe: muita paciência!
Além dela, a ideia original. E também, já a pensar em si e na confusão que lhe faria a minha ausência, há uma receita e um poema meus no livro.
Mas não se preocupe: nada disto saiu ou sairá do seu bolso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo Desconhecido a 19.10.2011 às 11:23

Peço imensa desculpa por ter feito uma pergunta óbvia em vez de tecer loas. Mas não precisa de ficar zangada, e agradeço a paciência para me responder. Não pensava que teria saído nada do meu bolso, a menos que o pretenda comprar. Desejo-lhe uma boa viagem por terras do Brasil.
Imagem de perfil

De Laura Ramos a 20.10.2011 às 01:26

Sabe, Anónimo Desconhecido? (veja lá se encurta o nick)
Como dizia o Camus: 'O difícil não é escrever. É reescrever'.
A obra está aí: na reconstrução.
Improvável, pessoalíssima, inventiva e, por isso, original.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 20.10.2011 às 01:42

Não foi uma pergunta óbvia (a menos que não saiba o que é uma antologia), foi só uma pergunta maldosa. E não peço nem espero loas de anónimos desconhecidos, que ideia a sua. Nem sequer dos amigos, embora me saiba muito bem o carinho que me demonstram.
Mas, sabe uma coisa? Além das loas e das perguntas há sempre uma terceira opção: ficar calado (a?). Quando não se tem nada de interessante para dizer é sempre o mais sensato.
De qualquer forma, obrigada pelos votos de boa viagem.
Imagem de perfil

De Laura Ramos a 18.10.2011 às 15:02

Lá tive eu de fretar outro jet... este DO só me mete em despesas! Bj e boas conquistas ;-)
Imagem de perfil

De Adolfo Mesquita Nunes a 18.10.2011 às 15:27

Que bom, Ana!
Muitos parabéns e que corra tudo pelo melhor!
Sem imagem de perfil

De JdB a 18.10.2011 às 15:38

Olha a surpresa (embora essa viagem já fosse falada)!
Boa viagem, vizinha. Como não sei se a uma escritora gastrónoma (ou é o contrário?) se tem de dizer m**** ou "break a leg", grito como em Espanha aos matadores: suerte!
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 18.10.2011 às 19:23

Olé! Gracias, vizinho.
Imagem de perfil

De Ivone Mendes da Silva a 18.10.2011 às 16:46

Tudo de bom, Ana. Enjoy it.
Sem imagem de perfil

De Vasco Santana a 18.10.2011 às 16:49

Parabéns, força, ainda ganha o Nobel da culinária.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 18.10.2011 às 17:16

Estou orgulhoso só por fazer parte de um blogue onde estás! Parabéns! Faço votos para que tudo te corra como um verso digestivo.

Beijinhos!
Imagem de perfil

De João Severino a 18.10.2011 às 17:42

Boa viagem, bom lançamento, bom apetite, boa estadia e bom regresso.

Comentar post


Pág. 1/2





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D