Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Dúvidas existenciais

por José Maria Gui Pimentel, em 18.10.11

Nos cerca de 4 meses que dura esta legislatura, o Governo mostrou apenas uma qualidade: coragem. Um Governo com coragem é, admitamos, importante – caso raro na nossa democracia – todavia é também escasso para o período em questão. Para se operar uma reestruturação da economia, Portugal necessita de tomar medidas estruturais, de fundo. Essas sim porão à prova o engenho e arte do executivo. As medidas tomadas, começando no aumento dos impostos e terminando nos vastos cortes na despesa, são relativamente evidentes, qualquer tecnocrata as tomaria. A grande dúvida assenta, assim, na capacidade do governo para tomar medidas estruturais, o corte cirúrgico na despesa do Estado, eliminando despesa inútil ou mesmo contraproducente, sem desbaratar aquela que é produtiva. Aqui se jogará o destino do país. Sobra, todavia, uma questão inquietante: em tão pouco tempo, é sequer possível?

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Vergueiro a 18.10.2011 às 11:04

Coragem? Atacar 570mil portugueses e deixar 9,8milhões de fora, mais as empresas todas??! De facto é de uma grande coragem!.
Ontem vi um ministro a dizer que tinha de "sugar" os funcionários públicos para suportar os desempregados, pensionistas etc.. Este é o problema, é que em portugal os únicos que pagam efectivamente todos os impostos que existem em portugal são os FP, porque os privados continuam a usar todos os esquemas permitidos na lei para "passarem ao largo". Mas todos querem educação para os filhos, todos querem polícia, todos querem justiça(ou não, os privados gostam que ela se arraste), todos querem saúde, todos querem bombeiros, todos querem celeridade nos processos administrativos, todos querem estradas decentes até a sua casa, todos querem água na torneira, todos querem praias, todos querem piscinas municipais ou jardins, todos querem transportes.
E TODOS querem-nos de BORLA. Quando chega a factura para pagar, é o FP que tem de suportá-la.
Proponho que em vez de Funcionário Público se passem a chamar Filhos da P... tal é raiva e xenofobia que provocam nos outros 9,7milhões de habitantes.
Fiz aqui um comentário a um post do Jaa, sobre os funcionários públicos em que disse e reafirmo (está no eurostat) que temos em portugal das menores relações FilhosdaP/Habitante nos países da UE. Contrapuseram na altura que apesar disso (ou seja de termos menos polícia, menos profissionais de saúde etc, etc...) que representavam 14% do PIB contrastando com os 5,8% da média europeia.
É necessário analisar estes valores e o que os mesmos representam. Considerando que o salário mínimo nacional é de 485euros, contrapondo com os 750 da grécia, e considerando que o salário médio na FP é de 1250 brutos mensais (950limpos) não me parece que, considerando que a grande fatia de FP está na educação e saúde, cujos funcionários são técnicos superiores, sectores onde se querem os melhores técnicos do País, cujos salários empolam esta média, não me parece que os salários justifiquem os tais 14% do PIB. Até porque nos outros países se passará o mesmo. Não acredito que em Espanha uma cirurgia seja efectuada por um profissional com o 12º ano etc.
Existe de facto uma justificação bem mais simples. Se não estou em erro há 2 anos atrás vi um estudo em que se calculava que a economia paralela (não tributada) representava 2PIB's nacionais. Aqui está a resposta. É que afinal, se cobrassem os impostos todos e se todos pagassem, o valor de 14% para um PIB teria de ser dividido por 3PIB's, o que daria 4,66%. Ou seja uma vez mais abaixo da média da UE.
Conclusão. O nosso PIB é uma trampa, não só porque produzimos pouco, mas porque grande parte foge aos impostos.
Fiquei parvo, porque não fazia ideia, com a notícia que as 20 maiores empresas cotadas na bolsa portuguesa, que todos pensamos serem portuguesas, afinal têm sede fiscal fora do país, para pagarem menos impostos. Ou seja, dinheiro captado cá dentro, tributado fora.
Não só os lucros vão para fora do país porque a maior parte dos investidores são estrangeiros, como até a tributação foge do País!! Isto é o cúmulo!!!E ainda querem privatizar mais empresas do estado???? Para sair mais dinheiro do país? Cuidado com as medidas e ministros que defendem, porque quando não houver mais FP (FilhosdaP), ou o sumo espremido destes não der mais para saciar os sanguessugas do país, o assalto vai cair nos privados (entendam-se trabalhadores por conta de outrem).
Mas têm toda a razão. O culpado disto tudo é o FP (entenda-se FilhodaP...)!!!.
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 18.10.2011 às 15:34

Dívidas existenciais.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D