Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Miopia

por José António Abreu, em 17.10.11

A uma conclusão já chegámos: os interesses cruzados de governantes, banqueiros e empresas várias (dos ramos da construção civil, do imobiliário, da gestão de infra-estruturas e de resíduos, das energias renováveis, etc.) tiveram um papel crucial na definição do trajecto que nos trouxe à situação de falência. Demorámos a atingi-la mas ainda bem que agora não restam dúvidas. E escrevo «ainda bem» por dois motivos – por em grande medida ser a conclusão certa e porque nos permite chegar a um corolário confortável: as causas da crise estão na ganância e na miopia dos capitalistas, ávidos de lucro mas incapazes de verem para além do curto prazo, e na corrupção dos políticos. Excelente. Ao menos que exista uma explicação fácil e meia dúzia de culpados que possamos apontar.

 

Mas esta explicação está incompleta. A miopia não foi somente de quem tinha muito dinheiro e muita influência. Cada pessoa pensou – e continua a pensar – apenas nos seus interesses imediatos. Cada pessoa usou o poder que detinha para cuidar deles. Os banqueiros detinham mais, é certo. Mas os trabalhadores das empresas públicas de transportes, que faziam greves reclamando aumentos salariais num tempo em que os alertas já eram diários, estavam a seguir exactamente a mesma lógica. Como também o estavam os grupos exigindo a admissão de mais funcionários públicos no sector A ou no departamento B. Ou os cidadãos da cidade C ou da vila D reclamando a construção de uma auto-estrada mesmo à porta. Ou as pessoas lutando contra quaisquer reformas que parecessem cortar «direitos adquiridos». Ou as que recebiam subsídios sociais indevidamente. Quase todos nós, de uma forma ou de outra. Em 2009, 54,23% dos portugueses que votaram nas legislativas ainda escolheram o PS, o Bloco ou a CDU, continuando a reclamar direitos impossíveis de satisfazer ou a manutenção de um status quo que os mantinha relativamente confortáveis (2009 foi o ano em que Sócrates aumentou os funcionários públicos em 2,9% e garantia ser Portugal o primeiro país a sair da crise, lembram-se?). Ao mesmo tempo, empresas definhavam (com excepção das públicas e das que operavam em sectores protegidos, claro) e o desemprego disparava. So what? Quem mantinha o seu salariozinho intacto permitia-se um trejeito de compaixão em frente do televisor, passava a oferecer dois pacotes de flocos em vez de apenas um durante as campanhas do Banco Alimentar contra a Fome e voltava a concentrar-se na maneira de conseguir mais para si mesmo, usando todo o poder que conseguira arrebanhar. Sim, uns tinham mais responsabilidades – os políticos, que são eleitos para cuidar do interesse geral. Sim, outros tinham obrigação, ainda que apenas por interesse pessoal, de ter percebido a armadilha – os banqueiros, os empresários do regime, os gestores auferindo centenas de milhares de euros por ano em prémios de desempenho. Mas a lógica foi a mesma em todos os níveis da sociedade. Preocupação com os interesses próprios e imediatos. Visão de curto prazo. Miopia. E ainda não mudou. Nem irá mudar. O facto de continuarmos a culpar apenas os outros e a usar os mesmos métodos de sempre (os trabalhadores das empresas públicas de transportes vão fazer greve em Novembro? A sério?) demonstra-o. Não é defeito do capitalismo, é defeito humano.

Autoria e outros dados (tags, etc)


11 comentários

Imagem de perfil

De Rui Rocha a 17.10.2011 às 13:28

Exactamente.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 17.10.2011 às 15:50

Andamos a concordar demasiado um com o outro...
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 17.10.2011 às 15:50

Só falta seres do Sporting...
Imagem de perfil

De José António Abreu a 17.10.2011 às 15:57

Mas eu sou do Sporting! Um sportinguista fatalista, se é que a expressão não é pleonasmo. Ora lê isto:

http://escafandro.blogs.sapo.pt/69724.html
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 17.10.2011 às 16:11

Com caneco!
Imagem de perfil

De Ivone Mendes da Silva a 17.10.2011 às 16:23

:) No Sporting somos (quase todos) fatalistas. Mas eu também costumo dizer que ser do Sporting nos prepara melhor para as adversidades da vida. :)
Imagem de perfil

De José António Abreu a 17.10.2011 às 19:44

É muito possível, Ivone. Mas nesse caso, e considerando as adversidades actuais, a revolução deve começar aqui no Porto - os portistas não estão mesmo nada habituados a perder. :)
Sem imagem de perfil

De Nuno a 17.10.2011 às 15:35

Exactamente. O capitalismo não tem defeitos. As pessoas é que são uma merda. Já para não falar nos pobres, que só atrasam a vida ás pessoas.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 17.10.2011 às 15:50

Se é isso que retira do post...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 17.10.2011 às 16:22

Boa análise.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 17.10.2011 às 19:45

Obrigado, João.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D