Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vontade de rir

por Adolfo Mesquita Nunes, em 12.01.09

Ter o comentário a um texto de José Sócrates como parte integrante de um processo de concurso para o preenchimento de vagas na função pública não pode passar, ainda que a coisa seja tentadora, por mais um sinal do narcisismo socialista ou, quase pior, do excesso de zelo do funcionalismo público.

 

A situação é muito mais grave do que isso, não só porque se soma a umas quantas outras, mas também porque evidencia uma absoluta confusão entre a máquina estadual e a máquina partidária, como se os funcionários públicos fossem funcionários do Governo e não funcionários do Estado e, portanto, ao que se supõe, de todos nós.

 

Progredir na carreira da função pública não deveria significar, como pelos vistos significa, louvar as Novas Oportunidades ou o Magalhães. Assim como não deveria significar, e pelos vistos significa, a impossibilidade de criticar em público aqueles que nos governam.

 

E já é altura de deixarmos de nos rir destas situações, coisa que temos vindo a fazer desde o episodio Charrua, passando pelo episódio das criancinhas contratadas para fingir que estavam numa aula e pelo episódio da licenciatura de José Sócrates.

 

Não estamos a falar da vaidade ou do narcisismo da Elsa Raposo. Estamos a falar do Governo de Portugal. O mesmo Governo que impediu a liberdade de imprensa na Lusa está agora a impedir a liberdade de pensamento no funcionalismo público. E se nos continuarmos a rir, pode ser que um dia até isso seja visto, e noutras zonas do país já o é, como algo de indesejável.

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

Sem imagem de perfil

De Amêijoa Fresca a 12.01.2009 às 15:34

Os "socialistas" estão caladinhos /
perante mais esta normalidade, /
isto apenas são uns pozinhos /
da sua podre moralidade.

Isto é uma tremenda conspiração, /
dirão os níveos moralistas, /
pretendem a total alienação /
por estes políticos oportunistas.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 12.01.2009 às 23:50

Vejo que continua em forma, Amêijoa. Fresca, quero eu dizer.
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 12.01.2009 às 15:58

O país está adormecido,até quando?
Um vergonha.
Sem imagem de perfil

De Ricardo S a 12.01.2009 às 16:11

Escandaloso, para não dizer terceiro-mundista.
Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De arguto a 12.01.2009 às 16:27

Muito bem.
Sem imagem de perfil

De Anti a 12.01.2009 às 16:34

Pois claro, ainda há gente que não percebe a razão de de eu afirmar que respiramos um ar pestilento, ou se preferirem bafiento.Se calhar é tudo uma questão de hábito...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 12.01.2009 às 23:49

Não é inteiramente verdade, caro Anti: sente-se bem o cheiro. Que diabo! Só eu é que não posso ter uma ironiazinha?!? Vá lá...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.01.2009 às 23:49

Excelente reflexão, Adolfo. Esta é daquelas que vai ao osso, como se impõe.
Imagem de perfil

De José Gomes André a 13.01.2009 às 03:32

"uma absoluta confusão entre a máquina estadual e a máquina partidária". É isso mesmo. Escandalosa situação, que num país desenvolvido seria motivo para capas de jornais e aberturas de noticiários televisivos.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D