Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Convidado: FRANCISCO CURATE

por Pedro Correia, em 16.12.10

 

Psychozoa

 

Possivelmente nunca ouviram falar da mandíbula de Mauer. Apesar das muitas revelações e subtilezas da paleoantropologia – a começar pela exposição da nossa origem – o universo pouco solar do Homo heidelbergensis permanece desconhecido. A história desta humanidade alternativa é uma história de recato científico. Perto de Burgos, na serra de Atapuerca, há 350.000 anos (mais ano, menos ano), viveram e morreram pouco mais de trinta indivíduos desta espécie. «Elvis» (uma existência condensada nos ossos da bacia e em algumas vértebras lombares) é, talvez, o sujeito mais bem estudado do grupo. Velho, torcido, curvado e doente – como um pinheiro batido pelo vento, mas pior – foi alimentado e tratado durante muitos anos pelo resto do clã, mostrando aos cientistas e ao mundo como era ser-se humano avant la lettre.

De certo modo, cuidar dos mais velhos não é mais que uma tradução da base formulaica «Honra o teu pai e a tua mãe». O rabino Neusner pode ter alguma razão quando vê neste mandamento a base do núcleo social israelita. Outro judeu genial, Freud, reduz qualquer religião a uma busca pelo pai, a uma ambivalência edipiana que pode ter a sua origem nesta primeira achega ocorrida na Sima de los Huesos. Mesmo o sertão de Riobaldo Tatarana pode funcionar como um pai vicário; Tatarana vale-se das figuras paternas de Zé Bebelo, Joca Ramiro, Medeiro Vaz e novamente Zé Bebelo – mais do que se vale do diabo, que aliás nem tem a certeza que exista.

Quando o bando de Burgos começa a zelar pelos mais velhos, esquece também a ditadura da biologia e um dos seus preceitos maiores: a sobrevivência dos mais fortes (cujo corolário implica a extinção dos mais fracos). Neste sentido, inaugura também a ideia de uma esquerda darwinista (Peter Singer, «A Darwinist Left: Politics, Evolution and Cooperation») – uma referência incessante ao excluído, ao fraco. Evidentemente, prefiro acreditar (com Emerson e Whitman) que as partes mais antigas da humanidade são divinas e não naturais – mas não quero parecer demasiado optimista. Afinal, os velhos em Portugal reduzem-se a minudências inoportunas. A velhice, mais do que nunca, é um fardo mais pesado que o Etna (nas irrepreensíveis palavras de Marco Túlio Cícero).

Uma palavra final para o «canibalismo» que a descendência burgalesa de Mauer decerto praticava também. A linguagem científica deveria abster-se de certas familiaridades. Pode dizer-se que a pandilha das cavernas de Burgos cuidava dos mais velhos, mas nem por isso é permissível a achega equívoca: «e comia os mais novos». No mundo post factum da paleoantropologia (uma ciência táctil) alguém deveria saber que nem sempre se come com a boca.

 

Francisco Curate

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De Rui Rocha a 16.12.2010 às 15:32

Gostei muito, Francisco. Parabéns.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 16.12.2010 às 16:08

Longe de mim armar-me em paleoantropologista, mas gostei. Dou os parabéns ao Francisco Curate.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 16.12.2010 às 17:33

Excelente texto, Francisco. Obrigado pela visita. Um abraço.
Sem imagem de perfil

De Francisco Curate a 16.12.2010 às 22:50

Eu é que tenho que agradecer o amável convite.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 19.12.2010 às 02:25

Valha-nos o "sapiens" que há em nós (ou a tal parte divina do humano) que nos permite esquecer a ditadura da biologia. Cuidar dos mais velhos é só um eufemismo para cuidarmos de nós próprios, cada vez mais num mundo de velhos.

Excelente contributo para o Delito. Parabéns.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D