Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




31 de Janeiro

por João Carvalho, em 31.01.10

Este velho postal do Porto é do tempo do Estado Novo, que entendeu chamar Rua de Santo António àquela que vai por ali acima, repescando a toponímia antiga. O regime actual restituiu-lhe o nome que tinha antes disso, a lembrar a revolta falhada: Rua de 31 de Janeiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Onde está a fita métrica da ERC?

por Pedro Correia, em 31.01.10

A perplexidade é do Blasfémias - e minha também. Um "debate" na Antena 1 sobre "O Estado e a competitividade da economia portuguesa" que inclui como participantes estas excelentíssimas personalidades: o ministro das Finanças, o ministro da Economia, o governador do Banco de Portugal e a procuradora-geral adjunta Cândida Almeida.

Não sei o que mais me espanta nesta iniciativa em que não se pretende sequer esboçar um arremedo de debate. Ditar frases de propaganda para a acta, como se fosse uma sessão do Conselho de Ministros para a área económica?  Proclamar as excelsas virtudes do Executivo Sócrates? Convencer os 600 mil desempregados portugueses que o País vai de vento em pôpa graças à governação socialista?

E já agora o que faz neste painel a ubíqua drª Cândida Almeida, certamente com imensos afazeres em questões da sua área? Tornou-se especialista em "competitividade"?

E uma última pergunta: será que célebre fita métrica da ERC levou sumiço?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogue da semana

por André Couto, em 31.01.10

Sou um confesso admirador do Pedro Adão e Silva. Isto porque o Pedro consegue, em contra-ciclo com a generalidade dos comentadores, manter a isenção política, sendo recto e isento no comentário político que faz, não deixando de se bater por aquilo em que acredita.

Alia o isto o facto de transmitir tranquilidade a quem o vê, sendo dono de uma objectividade e clareza de discurso que é raro encontrar.

Na blogosfera tem o Léxico Familiar, o qual, não tendo a notoriedade que o autor goza lá fora, tem exactamente a mesma qualidade.

Da última vez sugeri um outsider, desta deixo um autor consagrado numa comunicação mais light do que aquilo a que estamos habituados.

É a sugestão que o Delito de Opinião deixa como Blogue da semana.

Tenham uma das boas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boicote?

por João Carvalho, em 31.01.10

Este post do Paulo Gorjão pouco abaixo está sem entrada de comentários. Estranho. O boicote é do PS ou é do próprio PSD? Ou dos monárquicos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Captain of my soul

por Leonor Barros, em 31.01.10

A história é comovente, tão comovente que quase parece ficção. Um líder político, presidente de um país a braços com a reconciliação do seu povo, separado durante 42 anos por um regime vil de segregação racial, um desporto reservado à minoria africânder e desprezado pela maioria negra, símbolo do país oprimido e dividido, e a tentativa de harmonizar as diferenças, apagar cores e construir uma identidade colectiva através desse mesmo desporto, o dealbar de uma nação unida. Esta estratégia de uma raríssima inteligência e intuição catapulta para a ribalta o capitão de equipa que a pedido do Presidente eleva os Springboks e, com eles, a nação, gritando em uníssono por um mesmo objectivo. Negros e brancos finalmente unidos. Nada seria igual dali para a frente. Se juntarmos a este argumento baseado no livro de John Carlin, Playing the enemy – Nelson Mandela and the game that made a nation, a realização de Clint Eastwood, Morgan Freeman no papel de Nelson Mandela e Matt Damon como François Pienaar, o capitão da equipa nacional de râguebi, Springboks, obtemos um filme intenso, com momentos comoventes e empolgantes e a sensação de sermos mais um dos espectadores em Ellis Park a torcer pelos Springboks, sabendo secretamente que torcemos pela igualdade de direitos, pela reconciliação e pelos ideais de liberdade tantas vezes apregoados e outras tantas esquecidos. Martin Luther King orgulhar-se-ia do sonho realizado, o muro das diferenças derrubado não por decreto mas pela comunhão de um mesmo pulsar. E assim, uma nova alma e um novo país.
E diz-se por aí que Invictus não será o melhor filme de Clint Eastwood, depois de Million Dollar Baby e de Gran Torino, mas Invictus é certamente um filme belíssimo, sustentado pelo desempenho sóbrio e inexcedível de Morgan Freeman e Matt Damon. As cenas do jogo de râguebi são de uma rara beleza e mesmo sabendo da história que os Springboks venceram os All Blacks naquele 24 de Junho de 1995, continuamos suspensos e vibramos na expectativa da vitória, metáfora de esperança de um país que consegue finalmente gritar pelo mesmo ideal, um nós que substitui o eles proferido e praticado ao longo de quatro décadas de segregacionismo bóer. E Invictus de William Ernest Henley que perdura no ouvido It matters not how strait the gate/ How charged with punishments the scroll/ I am the master of my fate:/ I am the captain of my soul.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Ficção (pouco) científica

por Paulo Gorjão, em 31.01.10

Adoro um bom argumento de ficção científica. O que gosto menos, muito menos, é de um argumento pouco científico. A tese que anda no éter de que Manuela Ferreira Leite se sacrificou com o intuito de assegurar a aprovação do OE, deixando assim o terreno em aberto para o seu sucessor, é hilariante. Basta, aliás, parar cinco segundos para pensar. Alguém consegue explicar por que motivo o seu sucessor necessitava do terreno em aberto? Mais. No que é que consistiu o tal sacrifício?

Sejamos claros. Se existiu algum sacrifício ele foi feito não em nome do seu sucessor, mas sim em nome de Cavaco Silva. Mais. Se existiu algum sacrifício ele foi feito em função de uma estratégia de uma facção interna do PSD que necessitava de tempo. No meio disto o interesse comum do PSD ou do seu sucessor foram uma nota de rodapé no seu sacrifício.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Leituras

por Leonor Barros, em 31.01.10

The first thing I learned at school was that some people are idiots; the second thing I learned was that some people are even worse.

 

Orhan Pamuk, Istanbul. Memories and the City

Autoria e outros dados (tags, etc)

O teto dos inteletuais

por Pedro Correia, em 31.01.10

  

 

"Neste momento, temos o corretor pronto a ser instalado em todos os computadores." A frase - com o itálico da minha lavra - consta de um despacho de sexta-feira da agência Lusa, que desde ontem começou a escrever notícias "ao abrigo do Acordo Ortográfico", como foi sublinhando no remate de todos os telegramas distribuídos ao longo de sábado.

Li aquelas linhas e espantei-me: um corretor vai ser instalado nos computadores do mais oficial órgão de informação existente em Portugal? Durou pouco a perplexidade: afinal a notícia não aludia a um tipo qualquer especializado em transaccionar acções da Bolsa de Valores mas a um corrector ortográfico, agora destinado a dar caça às supostas consoantes mudas. E emprego aqui o adjectivo supostas porque muitas dessas consoantes têm a insubstituível missão de abrir as vogais. "Ao abrigo" da nova norma, para usar a curiosa expressão da Lusa, o vocábulo "diretor" passa a ser lido com E mudo, o som do A em "redação" também emudece e nem preciso de referir que o O de "adotar" passa a equivaler a U. Nada que refreie o entusiasmo do "diretor" da agência, que revela: "Cada jornalista esteve um dia a refletir sobre a filosofia geral do Acordo."

Também a mim isto dá para "filosofar". E lembro-me da celeuma que a reforma ortográfica concebida por Malaca Casteleiro gerou há 20 anos na comunidade literária portuguesa, com alguns dos nossos maiores escritores - de Miguel Torga a Vergílio Ferreira, de Agustina Bessa-Luís a Sophia de Mello Breyner - tomando posição firme contra a falsa "unificação", afinal quase um decalque da norma brasileira. Sophia, particularmente, acentuou então a importância das chamadas consoantes mudas na abertura das vogais num país que a sul do Mondego persiste em fechá-las.

Desta vez quase não houve polémica, o que é um esclarecedor sinal dos tempos. Adeus corrector, olá corretor e meses escritos em minúscula. Este é o tempo dos inteletuais, não dos intelectuais. Prontos a "abrigar-se" sob qualquer tecto. Perdão, teto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O segredo do mundo

por Teresa Ribeiro, em 31.01.10

Se não fosse mulher Roberto Bolaño não me teria impressionado tanto com 2666. Saber-se com os dias contados e portanto sem direito a uma segunda oportunidade foi determinante para conseguir escrever uma obra tão impiedosa. Mas nada na sua mortal pretensão de se transcender o obrigava a escolher o indizível como tema central desta espécie de tese sobre a natureza humana.

Uma parte considerável deste livro fala-nos da violação, tortura e assassínio em série de mulheres, inspirada em factos reais ocorridos no México. Estas mortes rituais percorrem 2666 ora através de alusões esparsas ora, na parte a elas inteiramente dedicada, através da exposição "fotográfica" dos cadáveres, feita a um ritmo torrencial, sufocante.

Na página 404 a frase dita por uma das personagens femininas revela-se a chave do livro: Ninguém presta atenção a estes assassínios, mas neles esconde-se o segredo do mundo.

A misoginia é o segredo do mundo? A misoginia que rasga estas 1027 páginas é assumida por um homem como o segredo do mundo?

Nesta obra Bolaño é duro para os homens, como não me lembro de ter visto outro escritor ser, sobretudo quando expõe a misoginia até ao osso: Como é a mulher perfeita? Pois, com meio metro de altura, orelhuda, com a cabeça chata, sem dentes e muito feia. Porquê? Assim com meio metro pode chegar exactamente à cintura, pá, orelhuda para a manejarmos com facilidade, com a cabeça chata para termos um sítio onde pôr a cerveja, sem dentes para não nos magoar a verga e muito feia para que nenhum filho da puta no-la roube.

A cena passa-se num bar onde se encontram alguns dos polícias que investigam os assassínios em série: Porque é que as mulheres não sabem esquiar? Porque na cozinha nunca neva.

O contador de anedotas continua: Vamos lá a ver, meus amigos, definam-me lá uma mulher. Silêncio. É um conjunto de células que rodeiam uma vagina. E então, narra Bolaño, alguém se ri. É um inspector: Essa é muito boa. - as anedotas seguem ao longo de quase duas páginas, cada uma mais alarve que a outra. 

Em 2666 há demasiadas marcas autobiográficas para que se deva presumir que deste retrato o autor se está a excluir olimpicamente, daí que faça sentido perguntarmo-nos se esta descrição tão cruel para os homens é um acto de contrição. Se não é, até parece. Mas de uma coisa tenho a certeza, gostar de mulheres é escrever isto: A sobrevivência da família foi-lhe difícil. Mas como era uma mulher humilde e discreta, de índole optimista e que além disso sabia ouvir, não lhe faltaram amizades (...) Não se importou de ter de caminhar mais vinte minutos todas as manhãs. Pelo contrário, caminhava-os quase a cantar. Não se importou de passar noites sem dormir, ligando um turno com o outro ou de ficar até ás duas da manhã na cozinha. Pelo contrário, o esforço físico enchia-a de energia, o esgotamento transformava-se em vivacidade e graciosidade.

E isto: É difícil ser feminista no México. Se uma pessoa tem dinheiro, não é tão difícil, mas se for da classe média é difícil. A princípio não, claro, a princípio é fácil, na universidade, por exemplo, é muito fácil, mas à medida que os anos vão passando é cada vez mais difícil. Para os mexicanos, só para que saiba, o único encanto do feminismo radica na juventude. Mas aqui envelhecemos depressa. Envelhecem-nos depressa.

No fundo 2666 é uma sentida homenagem às mulheres. Era o que me faltava dizer acerca do livro que mais me marcou em 2009.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Heróis da BD (40)

por Pedro Correia, em 31.01.10

 

 

 

 

Super-Homem, de Jerry Siegel e Joe Shuster

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Liverpool & Beatlemania (10)

por João Carvalho, em 31.01.10

 

Junto à margem do Rio Mersey, Liverpool tem hoje as suas "docas", uma vasta área dedicada à cultura, lazer, restaurantes e bares, comércio, etc.: é a Albert Dock, reconversão de um antigo conjunto de edifícios associados às lides portuárias, actividade na qual a velha urbe foi um marco histórico que a Grã-Bretanha tem bem presente.

Por essas bandas, ao fundo de um relvado amplo que dá pelo nome de Chevasse Park, lá está o monumento mais inesperado de Liverpool: o Yellow Submarine.

 

Executado em metal, o obelisco pesa 20 toneladas e foi uma das estrelas do International Garden Festival, a partir de 1984, no Otterspool Park, o qual se estendeu até 1997. Ficou depois abandonado e começou a mostrar sinais de corrosão galopante.

Um dia, as autoridades da cidade decidiram aproveitá-lo, dar-lhe a mão, restaurá-lo e levá-lo para um lugar novo. É onde está, desde 24 de Agosto de 2000 – em cima da relva, à boa maneira hippie. De um lado, uma avantajada placa colorida condizente lembra a canção dos Beatles e conta esta curta história do monumento inspirado na célebre longa-metragem musical em desenhos animados.

"In the town

where I was born..."

 

... so began the imortal opening lines in the Beatles 1966 song
"Yellow Submarine".

 

The hit record and film inspired fans of all ages - including
apprentices at the world famous Cammell Laird
Shipbuilding yard, on the River Mersey.

 

From a design by Graham Burgess, the apprentices
built this 20-ton submarine, which is 51 feet long and
made from plate metal, for the Liverpool International
Garden Festival in 1984.

 

It was transported across the Mersey to the Festival
Garden site at Otterspool where it was one of the main
attractions for millions of visitors.

 

But, in 1997, the Festival site finally closed and the
Yellow Submarine was left high and dry.

 

The tide turned when Liverpool City Council stepped in
to rescue the Fab Four's rusting sub and give it a new berth
in the city centre. The Yellow Submarine was first taken to a
council depot where it was repaired and renovated by New
Deal trainees from Liverpool Architecture and Design Trust.

 

Fully ship-shape, it was re-launched at this site on
August 24th, 2000 for a new generation of Beatles fans.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Ler

por Pedro Correia, em 31.01.10

Dos malefícios do tabaco. De Cristina Nobre Soares, no Deserto do Mundo.

Brincar às casinhas... Da Cristina Mendes Ribeiro, no Estado Sentido.

Feminismo. De Maria N, na Segunda Língua.

Harmonia conjugal. De Carla Romualdo, no Aventar.

O homem que coleccionava mulheres sem rosto. Da Sofia Vieira, na Controversa Maresia.

Uma questão de educação. Da Leonor Barros, n' A Curva da Estrada.

Desemprego de hoje, praia de amanhã. De João Maria Condeixa, na República do Cáustico.

Os nossos novos emigrantes. Da Joana Lopes, no Entre as Brumas da Memória.

Tu e eu em cada golo. Do José Fialho Gouveia, no Albergue Espanhol.

Duplicidade. De Rui Crull Tabosa, no Corta-Fitas.

Véus e minaretes. De João Miranda, no Blasfémias.

'Anti-Cristo': o último reduto. Do João Lopes, no Sound+Vision.

Pippa Lee. De Luís Januário, n' A Natureza do Mal

Mestre Aquilino. De Ega, na Metafísica do Esquecimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As canções do século (31)

por Pedro Correia, em 31.01.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ligação directa

por Pedro Correia, em 31.01.10

Ao Marcoense Como Nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há sempre espaço para mais um prego...

por Paulo Gorjão, em 30.01.10

"Aquilo que o país precisa neste momento não é de políticos, é de estadistas", disse Manuela Ferreira Leite. Infeliz, sempre infeliz, até ao último dia.

Eis, uma vez mais, a sempre repetida tentativa de emulação de Cavaco Silva, infelizmente sempre para pior, muito pior. Será quase desnecessário salientar que esta dicotomia não tem pés nem cabeça. Pior. O nojo que daqui se subentende em relação à política, como se os estadistas pairassem sobre a política sem nunca nela sujar as mãos, é apenas mais um episódio que contribui para a descredibilizar. Do primeiro até ao último dia, a passagem de Manuela Ferreira Leite pela presidência do PSD é um enorme equívoco. Já faltou mais para acabar, felizmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Never make a saint of me

por Leonor Barros, em 30.01.10

Agosto escaldante, ainda mais pela hora em que o sol olhava ufano bem lá do alto. Saltos altos e farpela a preceito, assim exigia o enlace matrimonial de uma colega de profissão. O noivo fez-se esperar para quebrar a tradição e desesperar os convidados. Da noiva não se ouviu queixume. Quando ela finalmente entrou na capela decorada com pequenos bouquets de rosas vermelhas e caminhou tranquila, os passos calculados e femininos, sobre a passadeira vermelha com centenas de pares de olhos, humedecidos alguns, todos focados e centrados na entrada da noiva, senti que não, assim não. Repeti a mim própria e avisei a minha progenitora a meu lado que jamais seria capaz de fazer semelhante. Não o casamento, ou talvez ele também, mas a atenção subitamente concentrada em mim, imaginando-me pois no lugar da noiva. O desconforto fazia antever que a única saída plausível, estivera eu naquela situação, seria mesmo a porta dos fundos, a da sacristia certamente. E a música, a música de igreja, talvez a marcha nupcial ou algo semelhante ao que habitualmente condiz com a situação entrava-me miudinha pelo ouvido para piorar tudo. Foi aí, julgo, que terei ouvido Mick Jagger a sussurrar-me ao ouvido, com os lábios que se lhe conhece, como uma brisa entre o pescoço e o cabelo caído em cachos pelos ombros desnudados, um arrepio leve na espinha contrariando a canícula do zénite de Agosto. Os desígnios ocultos e misteriosos raramente são audíveis e perceptíveis a todos. E pelo ouvido, o sussurro, agora evidente, saint of me, you´ll never make a saint of me. A melhor das opções desenhava-se à minha frente. Entrar pela basílica e, bem ao fundo, junto ao altar-mor, em vez das avé-marias e marchas nupciais no esplendor barroco do órgão bento, as pedras rolantes a esgalharem em todo o seu poder Saint of me com Jagger cantando-me por trás do vigário, surgindo de um lado e do outro da beatífica personagem they´ll never make a saint of you. Assim, sim.

 

Este texto foi repescado dos confins da memória tudo por causa do Pedro e desta sua canção do século. Esta é uma das minhas

Autoria e outros dados (tags, etc)

Basta vê-lo

por João Carvalho, em 30.01.10

Estamos assim: nós,  portugueses, somos considerados os europeus mais pessimistas. A nossa expectativa em relação ao futuro está praticamente no zero, talvez mesmo abaixo dos búlgaros, húngaros e romenos. Vá lá, que ainda somos considerados europeus, apesar de Portugal estar a tornar-se um território europeu marginérico (misto de marginal e periférico).

É certo que Vítor Constâncio diz que a proposta orçamental do governo «tem várias medidas inteligentes», mas nós sabemos que a maior parte das vezes o governo não mostra inteligência nem para tirar as medidas. E reparem que ele também sabe. Basta vê-lo (como o fotógrafo Daniel Rocha/Público o viu).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um caso de censura

por Pedro Correia, em 30.01.10

  

A censura torna os jornalistas mais hábeis. Millôr Fernandes lembrou há pouco um exemplo ocorrido no Pasquim, uma das publicações mais visadas pelos censores da ditadura militar brasileira nos anos 70 – uma censura que não se limitava aos temas políticos: exercia o domínio repressivo também no capítulo da moral e dos costumes.

Em certa edição da revista, havia que escrever sobre o romance Iracema, de José de Alencar – um clássico da literatura romântica brasileira, que entre outras expressões popularizou à época a “virgem dos lábios de mel”. Convidava à malandrice. E assim foi: o Pasquim lá se debruçou seriamente sobre o romance, numa das suas enésimas edições, tendo no entanto o cuidado de acrescentar uma palavra. Uma palavrinha apenas – no caso, um adjectivo. Grande. A virgem de Alencar passou a ter “grandes lábios de mel”.
A censura, bronca como costumam ser as censuras, nem reparou. Uma singela palavra pode fazer toda a diferença.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passado presente (CCXX)

por João Carvalho, em 30.01.10

 

Hildebrand & Wolfmüller* (Alemanha, 1895/97)

 

* — Com patente datada de 1894, foi o primeiro motociclo produzido em série, embora apenas se tenham fabricado poucas centenas, face ao seu elevado custo e a alguns problemas técnicos, como a ausência de embraiagem. Com motor de 1489cc a quatro tempos arrefecido a água, atingia 45km/h.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Versatilidade

por António Manuel Venda, em 30.01.10

Além de crises financeiras, a banca é capaz de provocar outras desgraças, como se pode ver aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

As canções do século (30)

por Pedro Correia, em 30.01.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ligação directa

por Pedro Correia, em 30.01.10

Ao Aparelho de Estado

Autoria e outros dados (tags, etc)

Enfermeiros (e enfermeiras) em greve...

por João Campos, em 29.01.10

... mesmo aqui na vizinhança. Tem sido uma tarde animada. Os restaurantes e centros comerciais da zona de Saldanha estarão certamente a esfregar as mãos de contentes. O Ministério da Saúde e os passageiros dos autocarros 742, 718, 16, 101 e 726 da Carris, nem tanto.

 

 

(Em jeito de nota de rodapé, podem também ver o belo estado da Avenida Duque D'Ávila, tema sobre o qual o Carlos Barbosa de Oliveira falou aqui. A ver se num destes dias, durante a hora de almoço, tiro mais algumas fotografias)

 

 

Eram suficientes para entupir a Defensores de Chaves. E para fazer uma algazarra que despertou a atenção de toda a gente das redondezas. Enfermeiros (e enfermeiras) e estudantes universitários, provavelmente dos cursos de Enfermagem. Não sei ao certo quantos eram - a seguir começa a guerra de números entre Governo e sindicatos, e ninguém saberá ao certo. Mas foram suficientes para se fazerem ouvir... na rua, pelo menos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pub: IPRIS Viewpoints

por Paulo Gorjão, em 29.01.10

Pedro Seabra, "UNASUR: South America's wishful thinking?" (IPRIS Viewpoints, No. 10, February 2010).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Retratos da pobreza e exclusão (5)

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 29.01.10

 

 

Bombaim (ou Mumbai) é uma cidade de horrores. A miséria da maioria da população contrasta, de forma aviltante, com o luxo de uma minoria.
Todas as noites, mais de 1 milhão de pessoas dorme em valas ao longo da estrada que liga a cidade ao aeroporto, enquanto turistas se divertem e dormem em hotéis luxuosos; hordas de pedintes vasculham em montes de imundície, enquanto homens de negócios se reúnem em jantares cujo custo permitiria matar a fome a uma família indiana durante um ano; políticos discutem nos bares, entre duas bebidas e aperitivos, os problemas da miséria no mundo, enquanto crianças ranhosas, fedendo a miséria, colam os olhos vítreos nas janelas dos autocarros pejados de turistas.

Mais do que pedirem uma esmola, pedem que alguém olhe para a sua miséria. Não querem compaixão, apelam apenas à consciência de quem pode reduzir o seu sofrimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A História está viva e recomenda-se

por Pedro Correia, em 29.01.10

    

 

Durante muitos anos - demasiados anos - a História renegou as biografias e a ordenação cronológica. Influenciada por certas modas ideológicas, interessava-se sobretudo por estatísticas de produção, dados demográficos, grandes "estruturas" sociais e a "luta de classes" como "motor" dos acontecimentos. Felizmente, como sucede a todas as modas, também esta se foi esgotando. O papel do indivíduo foi revalorizado, o encadeamento dos factos na sua perspectiva cronológica voltou a ganhar importância e o modo de escrever recuperou um estilo narrativo que parecia condenado ao desuso. Qualquer escaparate de livraria volta hoje a dar relevância à biografia como insubstituível género literário. As memórias, os diários de personalidades célebres e os testemunhos na primeira pessoa do singular recuperaram leitores fiéis.

Vem isto a propósito de alguns dos mais notáveis lançamentos editoriais de 2009 em Portugal que continuam a ter repercussão no ano em curso. Livros como a monumental biografia de Hitler (Dom Quixote), lançada na sua versão abreviada (mas, ainda assim, gigantesca) do historiador britânico Ian Kershaw. Beneficiando da abertura de arquivos e do acesso a fontes documentais inéditas como o diário de Joseph Goebbels, o delfim de Hitler, Kershaw descreve-nos com minúcia a ascensão ao poder do fundador do III Reich, do seu percurso errante de boémio em Viena, quando ganhava o sustento vendendo medíocres aguarelas a clientes judeus, até se tornar dirigente máximo da Alemanha, submetendo sucessivas nações europeias à sua imparável sede de poder e transformando uma das mais requintadas civilizações mundiais num gigantesco cenário de terror.

Outra obra indispensável agora ao dispor dos leitores portugueses é A II Guerra Mundial (Dom Quixote), impressionante descrição - passo a passo, batalha a batalha - dos seis anos mais mortíferos da história da humanidade, redigida pelo britânico Martin Gilbert, que já se distinguira como o melhor biógrafo de Winston Churchill. Destaque ainda para Uma Breve História do Século XX (Livros d' Hoje), do australiano Geoffrey Blainey, que nos chegou com o rótulo de "best seller internacional" - neste caso bem merecido: aqui se condensam de forma exemplar, em cerca de 500 páginas, os principais acontecimentos do século passado, mencionando factos políticos mas também as ideologias em conflito, as grandes descobertas científicas e todo o cortejo de prodigiosas inovações técnicas.

A História está viva - e recomenda-se. É uma excelente notícia para os leitores do século XXI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Menos conversa e mais acção

por João Carvalho, em 29.01.10

«O governo apresentará "em breve" a Bruxelas um Plano de Estabilidade e Crescimento que "dará a indicação clara" de que vai seguir políticas que garantem a redução do défice.» Por outras palavras: uma indicação clara para escamotear uma situação negra?

Ora, Bruxelas já deve saber algumas histórias sobre o cumprimento de promessas do governo que temos. Por isso, talvez fosse melhor menos indicações e mais indicadores. Em suma: menos palavras e mais trabalho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um título que gostaria de ter feito

por Pedro Correia, em 29.01.10

"O silêncio de Salinger torna-se eterno." Hoje, no El Pais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Avençar Portugal

por José Gomes André, em 29.01.10

Já nem vou falar da aberração que é criar sete prédios com 18 andares à beira do rio. Não. Prefiro chamar a atenção para a parte a negrito desta notícia: 

 

"A Câmara de Lisboa decidiu ontem pôr à discussão pública a possibilidade de nascerem na zona da Matinha, junto à linha férrea e nas imediações do rio, sete torres de 18 ou 19 andares cada uma. O plano de pormenor em que se insere esta urbanização [...] foi encomendado pela autarquia ao gabinete de arquitectura Risco, que pertenceu até há pouco mais de dois anos ao actual vereador do Urbanismo de Lisboa, Manuel Salgado.

Em 2005, a autarquia estabeleceu para aquela zona, situada perto da Expo, um índice de construção hoje considerado por muitos excessivo. [...] A opção do gabinete de arquitectura, que é hoje dirigido pelo filho de Manuel Salgado, passou por fazer crescer em altura sete dos prédios da urbanização, de forma a permitir alguma área livre ao nível do solo." 

 

Uma Câmara. Um vereador que chefiou um gabinete de arquitectura. Uma encomenda feita pela Câmara ao dito gabinete. Um gabinete chefiado pelo filho do actual vereador. O mais curioso? Todos acharam normalíssimo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Belles toujours

por Pedro Correia, em 29.01.10

 

Amy Adams

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Outra vez Obama

por José Gomes André, em 29.01.10

A minha leitura do discurso sobre o "Estado da União", no Era uma vez na América.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Faites vos jeux...

por Paulo Gorjão, em 29.01.10

Ainda não é claro quem serão os candidatos na disputa pela liderança do PSD. Pedro Passos Coelho é o único candidato assumido até ao momento, continuando por agora a especulação sobre quem será o seu eventual concorrente. Independentemente de quem venha a estar na corrida, era importante que os futuros candidatos se sentassem à mesa e estabelecessem entre si um pacto de não agressão pessoal. Era relevante que elaborassem um compromisso sobre as regras formais e informais da campanha eleitoral, bem como sobre o dia seguinte às eleições directas.

Discuta-se política, pura e dura, mas deixe-se de lado as questões pessoais. Confrontem-se propostas e defina-se um rumo. A seguir que se construa em comum uma alternativa política e partidária. Pela parte que me toca, mero cidadão atento e interessado, independentemente das minhas preferências políticas e pessoais, conhecidas de todos, se forem observadas as regras mínimas de cordialidade na campanha  -- e pela primeira vez desde há algum tempo temos algumas condições para isso --, quem quer que seja o vencedor, no dia seguinte às eleições directas terá a minha lealdade política.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As canções do século (29)

por Pedro Correia, em 29.01.10

>

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ligação directa

por Pedro Correia, em 29.01.10

Ao QIQX.

Autoria e outros dados (tags, etc)

J.D. Salinger (01.01.19-27.01.10)

por João Campos, em 28.01.10

 

Não tendo grande jeito para obituários, no momento em que fico a saber que J.D. Salinger faleceu (aos 91 anos) a única coisa que me ocorre é reler The Catcher in the Rye, de longe um dos melhores livros que já li.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O resto da notícia

por João Carvalho, em 28.01.10

A Ana Vidal anotou aqui muito bem as palavras do presidente do BES sobre as maravilhas da banca portuguesa. Aproveito agora para registar que Ricardo Salgado também acha que a tributação sobre os bónus e demais mordomias traduzíveis em dinheiro-do-bom podem levar «gente muito valiosa» a sair de Portugal.

Assaltam-me algumas dúvidas. A coisa não poderá resolver-se aumentando os bónus e alargando as mordomias? Enquanto essa tributação não se concretiza, os portugueses mais valiosos têm andado a sair de cá sempre que conseguem por que raio de razão? É por achar mal sair de Portugal que o BES recusa investir lá fora, trabalhar com off-shores e tudo isso?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Soneira

por João Carvalho, em 28.01.10

Começo a achar que a Judite de Sousa transformou a Grande Entrevista num teste de resistência. Teixeira dos Santos diz que nunca agiu em função de calendários eleitorais, que os piores cenários são exagerados, que ninguém podia prever o desenrolar da crise, blá-blá-blá-blá... Estou a sentir uma soneira que nem imaginam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Privacidade?

por João Campos, em 28.01.10

No Público: O presidente do observatório da criminalidade afirmou hoje que a segurança não é um direito menor do que a privacidade, justificando assim a necessidade de se manterem medidas de protecção que possam representar uma intromissão na vida privada. Isto vem a propósito dos scanners corporais que deverão ser instalados nos aeroportos, mas poderia ser dito a propósito de videovigilância nas ruas, e de tantas outras coisas. O problema é que esta ideia poderá servir para justificar todo o tipo de abusos. E não deixa de ser preocupante que tenha tantos e tão importantes adeptos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Notícias do dia

por Ana Vidal, em 28.01.10

 

 

1. Ricardo Salgado afirma, numa entrevista concedida ao Público, que "Os bancos portugueses tiveram um comportamento espectacular nesta crise".  Assim mesmo, sem hesitações. Depois da surpresa que uma afirmação categórica destas me causa, acabo por dar-lhe razão: os bancos portugueses deram espectáculo, é verdade. Pena é que, no caso de alguns, tenha sido um espectáculo tão triste.

 

2. Num alerta noticioso que me traz diariamente os principais títulos da imprensa escrita nacional, leio este, do Jornal de Notícias: Ministro admite abdicar de salário. Fico com uma enorme curiosidade de saber quem é este extraordinário caso de samaritanismo governamental e sigo o link... que me leva, afinal, ao seguinte aviso: "Lamentamos, mas ocorreu um erro que nos impossibilita de mostrar a página pretendida. Dentro de alguns segundos será encaminhado para a página de entrada no site do JN.". O samaritano arrependeu-se, presumo. Já não há estrelas no céu, como diria o Rui Veloso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O post pelos seus leitores

por Ana Margarida Craveiro, em 28.01.10

Estava a ler as condições de acesso ao Porta 65, o programa de fomento ao arrendamento jovem, e deparei logo com este parágrafo. Alguém me sabe explicar o que é um casal? É que, dizem-me, para o Estado um casal jovem não pode ser casado. Antes de meter água, e desfiar todo um rosário sobre falsas tolerâncias e progressismos, apelo aos leitores. A minha dúvida tem uma causa simples: já por duas vezes me contaram casos de candidaturas rejeitadas, aparentemente porque o "jovem casal" era casado, assim mesmo, de papel passado. O parágrafo em causa é este, e pode ser encontrado aqui:

 

Jovens em coabitação; Jovens casais ou em união de facto; Jovens com idade igual ou superiores a 18 anos e inferior a 30 anos (no caso de casais jovens um dos elementos pode ter até 32 anos). 

 

Adenda especial para o João Carvalho: este "com idade igual ou superiores" é magnífico, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O "livre pensamento" à lei da bala

por Pedro Correia, em 28.01.10

 

Existe por aí uma autodenominada Associação Portuguesa do Livre Pensamento (APLP), especializada em promover romagens às campas dos dois assassinos do penúltimo rei de Portugal, Costa e Buíça. Os escassos membros desta associação prometem o cumprir o ritual de visitar o cemitério do Alto de São João, no próximo domingo, enquanto lamentam que as comemorações oficiais do centenário da república "ignorem o contributo" dos referidos homicidas para o derrube da monarquia. Isto em nome dos "princípios libertários, a acções tendentes à construção de uma pátria sem opressões classicistas, moderna e voltada para o futuro, construída por homens livres, coerentes e firmes nas suas convicções", segundo leio na Lusa.

Buíça e Costa, a quem a APLP denomina "cidadãos", ao dispararem os tiros mortais expressaram o seu "legítimo direito à indignação", princípio que a benemérita associação "respeita, promove e continua a propalar".

 

Conclui-se daqui o seguinte:

1. Na óptica da APLP, organizar romagens ao Alto de São João é uma "acção moderna e voltada para o futuro".

2. Matar alguém - no caso, além do rei, foi igualmente assassinado o príncipe real D. Luís Filipe - demonstra "coerência e firmeza de convicções".

3. O "livre pensamento" promove-se recorrendo à lei da bala.

4. Matar é, mais do que "legítimo direito à indignação", um exercício de cidadania.

5. Quem vir por aí um membro da APLP deve munir-se de colete antibalas, não vá mais alguém ser vítima dos princípios que esta associação "respeita, promove e continua a propalar". O intrépido inspector Callahan, em tempos interpretado no cinema por Clint Eastwood, não diria melhor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rasgos (5)

por Ana Vidal, em 28.01.10

 

Quando Oscar Wilde contou à escritora Ada Leverson que um homem o tinha perseguido com uma faca na mão, ela disse-lhe:

 

– Aposto que ele tinha um garfo na outra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O ovo de Colombo

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 28.01.10

A vinda do Papa a Portugal vai dinamizar a economia portuguesa. Uma fábrica de Ourém promete apresentar grandes novidades religiosas quando Bento XVI vier a Portugal em Maio. Mas, por agora, o grande negócio de Fátima está mais virado para outros ídolos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sempre incómodo, felizmente

por Teresa Ribeiro, em 28.01.10

Não é um especialista de universidade sem experiência no terreno, nem fez currículo à sombra do Estado. É por isso que gosto sempre de o ouvir ou ler quando põe a boca no trombone.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As canções do século (28)

por Pedro Correia, em 28.01.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ligação directa

por Pedro Correia, em 28.01.10

Ao Por Este Mar Navegado...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ainda a tempo

por Teresa Ribeiro, em 27.01.10

Leiam a excelente crónica que Baptista-Bastos assina no DN de hoje.

Autoria e outros dados (tags, etc)

República: o busto e o 'marketing'

por João Carvalho, em 27.01.10

Foi por este post aqui mais abaixo, do Sérgio de Almeida Correia, que fiquei a saber que o escultor João Cutileiro defende a mudança do busto da República. O País parece não estar muito interessado nisso e a verdade é que os portugueses têm muito mais com que se preocupar do que descobrir uma nova polémica totalmente inútil para o bem-estar nacional, cada vez mais afastado.

 

Na notícia que serviu de base ao post, Cutileiro diz que lhe faz «muita impressão que o nosso busto da República seja uma cópia do francês». Ora, é verdade que o busto oficial, de Simões de Almeida (sobrinho) e criado ainda antes da implantação da República (quem serviu de modelo morreu há não muitos anos), é inspirado no modelo francês da época, o que se justifica pela influência que os franceses tiveram na nossa mudança há cem anos, como um século antes também tiveram na implantação do nosso regime constitucional, quando o liberalismo pôs fim ao absolutismo.

 

Porém, vale a pena lembrar que os primeiros republicanos no poder deram ao busto nacional outro ar, com um objectivo bem específico. Percebendo que o poder judicial lhes era pouco favorável, mandaram executar algumas cópias que rapidamente fizeram chegar aos tribunais superiores ainda em 1911 (e que foram depois alargadas a outros), com uma característica muito especial: o rosto e postura da República intencionalmente parecidos com a deusa da Justiça, como que a fazer crer que a Justiça e a República se confundiam e estavam unidas por natureza. Esperavam eles, com isso, que o novo poder político passaria a contar com o apoio dos juízes, que se mantinham intransigentes quanto ao cumprimento das leis.

 

A ingenuidade da ideia teve pouco – se algum – sucesso. Também a maioria desses bustos em gesso aparentados com a alegoria da deusa Témis não resistiram ao tempo, mas alguns tribunais ainda conservam o seu exemplar, como acontece com o Supremo Tribunal de Justiça, e o facto histórico pode servir para que a representação da nossa República seja vista como um modelo próprio (protagonista deste episódio insólito) e não como obra importada.

 

Histórica é também a ingénua e gorada acção de charme daqueles republicanos junto dos magistrados judiciais, há um século. A iniciativa constitui um verdadeiro caso de marketing político, muito antes de o mundo saber o que o marketing viria a ser.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sobreviventes (7)

por Pedro Correia, em 27.01.10

 

LAUREN BACALL

 

"Se precisares de mim, é só assobiares."

Bastou-lhe esta frase, dita a Humphrey Bogart, para lhe valer uma entrada directa na história do cinema. O filme era Ter ou Não Ter, de Howard Hawks (1944). Logo vieram outros: À Beira do Abismo (1946), Prisioneiro do Passado (1947), Paixões em Fúria (1948). Ela continuava a fitar Bogie com aquele jeito único de baixar a cabeça e levantar os olhos, como se fosse muito tímida. Sempre enigmática, de uma beleza fora dos padrões convencionais, dotada de uma prodigiosa fotogenia.

Fez inúmeros filmes em mais de seis décadas de carreira. Mas nenhuma frase dela nos marcou tanto como aquela inicial. Assobiamos. Para que volte sempre.

 

Nasceu a 16 de Setembro de 1924 (tem 85 anos).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pub: IPRIS Viewpoints

por Paulo Gorjão, em 27.01.10

Kai Thaler, "Using BRIC to build at sea: The Brazil-China aircraft carrier agreement and shifting naval power" (IPRIS Viewpoints No. 9, January 2010).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/8





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D