Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vidas

por João Carvalho, em 08.01.10

Portugal é o sexto país europeu e o oitavo do mundo a aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Não me lembro de termos sido tão lestos desde a abolição da pena de morte.

O fim da pena de morte salvou a vida a grandes criminosos. Espera-se que o casamento homossexual possa salvar alguém de qualquer coisa, já que o resto do país continua sem ilusões de vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)


42 comentários

Sem imagem de perfil

De LNT a 08.01.2010 às 15:24

"O fim da pena de morte salvou a vida a grandes criminosos."

E a quantos inocentes não terá salvo da morte?
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 15:44

A alguns, seguramente.
Sem imagem de perfil

De maloud a 08.01.2010 às 15:28

Inicie uma petição para restaurar a pena de morte.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 15:46

Não sei para onde ia mandar o seu comentário, mas enganou-se no endereço de certeza.
Sem imagem de perfil

De maloud a 08.01.2010 às 15:55

Não, não me enganei. O seu texto deixou-me apatetada. Só isso.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 16:07

Enganou-se, certamente. Nada no meu texto pode ter-lhe indicado que eu seria a favor da pena de morte. Só mesmo por engano.

Já agora, mais uma coisa: mesmo ironia por ironia, o meu texto não merece tanta secura e rudeza apenas por lembrar que está por fazer tudo o resto que, de importante que é, interessa à vida de dez (ou nove, ou oito) milhões de pessoas.
Sem imagem de perfil

De maloud a 08.01.2010 às 16:19

Secura, aceito. Rudeza, não. Não faz o meu género, mesmo em assuntos como a pena de morte.
Sans rancune, j'espère.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 16:31

Ainda bem. Nem o assunto era a pena de morte.
Bien sure.
Sem imagem de perfil

De Rui Figueiredo a 08.01.2010 às 15:28

Do divórcio não se salvam com certeza, afinal é um direito adquirido e nem referendo foi preciso!!!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 15:47

Por essas e por outras é que o casamento não é necessariamente uma boa conquista. Às vezes, é a perdição de uma pessoa...
Sem imagem de perfil

De Desconhecido a 08.01.2010 às 16:06

"já que o resto do país continua sem ilusões de vida."

Pois pois, mas nas imortais palavras da Teresa Guilherme, isso agora não interessa nada...

Deixe-os pousar...
Sem imagem de perfil

De Luís Reis Figueira a 08.01.2010 às 17:57

Sócrates disse há pouco às televisões que este era um momento "muito histórico" na nossa democracia. Sem conseguir perceber muito bem onde esteja essa tão grande 'dimensão histórica' que o nosso PM vê na aprovação desta lei pela AR, não deixo contudo de ver que tem havido à volta deste assunto 'muitas histórias' e algumas delas até, bastante mal contadas. Sem estar já a querer falar sobre a oportunidade do agendamento e da grande urgência da aprovação desta lei que, ridículamente, o PM fez questão de apresentar pessoalmente na AR, (quando tem deixado de o fazer em relação a matérias bem mais importantes para o país e para o bem estar dos portugueses), não deixarei, contudo, de aqui expressar a minha total discordância em relação a alguns aspectos desta polémica matéria, nomeadamente e desde logo pela adopção do termo "casamento" em relação a algo que é substancialmente diferente. E tão diferente é que, mesmo sem querermos estar a ser discriminatórios, vemo-nos obrigados usar a expressão 'casamento homossexual' ou 'casamento gay' para o distinguir daquele que até agora e sem recurso a mais explicações ou adereços conhecíamos como 'casamento' puro e simples e que todos sabíamos a que correspondia exactamente. Quem realmente pensar que a sociedade, as mentalidades e a discriminação se mudam por decreto, está por certo muitíssimo enganado, como já alguém - e muito bem - comentou hoje num post anterior em relação a esta mesma matéria.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 18:10

Claro. Dessem-lhe outra designação e não seria preciso dizer «casamento homossexual», que é, já por si, discriminatório. E jamais deixará de o ser, pela necessidade de distinguir duas coisas que serão sempre diferentes.
Talvez por isso é que Sócrates tenha precisado de dizer que se trata de um momento «muito histórico», não vá a História esquecê-lo. Afinal, os acontecimentos são históricos ou não são; não há acontecimentos pouco ou muito históricos. Excepto aqueles que substituem uma discriminação por outra...
Imagem de perfil

De Cristina Ferreira de Almeida a 08.01.2010 às 19:07

Não estou a perceber. Que eu saiba, Portugal foi um país pioneiro na abolição da pena de morte. Fomos o primeio país da Europa a fazê-lo, seguramente, e não tenho de cor mas talvez o primeiro do mundo.
Sem imagem de perfil

De tric a 08.01.2010 às 20:12

Fomos o primeiro país a abolir a pena de MORTE !!?? o Aborto esta em vigor, que eu saiba...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 21:22

V. tem obrigação de dar mais do-có-que parece querer dar.
Sem imagem de perfil

De tric a 08.01.2010 às 23:11

isso deixo para você...agora dizerem que Portugal foi o primeiro país do mundo a abolir a pena de morte quando esta em vigior a magnanima lei do Aborto, so pode vir de mentes bem formatadas...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 23:25

Comece a formatar melhor os seus textos, porque este está pior do-có-que é tolerável. E aproveite para formatar algumas ideias, que andam a tornar-se ideias fixas e isso um dia acaba em sério delírio.
Sem imagem de perfil

De tric a 09.01.2010 às 00:56

A Vida Humana é INVIOLAVEL !!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 09.01.2010 às 02:38

Não me grite que me dá cabo dos tímpanos oculares.
Imagem de perfil

De Cristina Ferreira de Almeida a 08.01.2010 às 19:22

Ups, peço desculpa pela leitura apressada. É "desde a" e não "na". De qualquer forma um orgulho para todos os portugueses. Ambas as alterações, digo eu.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 21:21

Ah! Ias-me deixando atrapalhado. Na abolição da pena de morte Portugal foi realmente pioneiro. A oportunidade era de ouro. A oportunidade da alteração actual é mais duvidosa.
Sem imagem de perfil

De Angustiado pela dúvida a 08.01.2010 às 19:33

Tenho uma dúvida, que gostava de ver esclarecida. Será que alguém pode responder-me?
É o seguinte: a partir de agora, um gajo como eu, quando o inquirirem sobre o estado civil, terá de dizer "casado com uma mulher", é? Não vá o diabo tecê-las, pois então...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 21:23

Não sei esclarecê-lo, mas parece-me bem. E necessário, por via das dúvidas.
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 08.01.2010 às 19:43

Será para proteger alguém certamente !
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.01.2010 às 21:28

Casam leve, levemente,
Mas casam com grande chinfrim.
Será p'ra proteger alguém certamente,
Que os outros não casam assim.
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 09.01.2010 às 13:34

Já faltou mais para os outros serem "os diferentes" e terem que lutar por casamento heterossexual. espero que já não seja na minha geração, porque começa a faltar paciência e idade para estas coisas. Na minha modesta opinião deu-se o 1º passo para a adopção. E vai ser engraçado quando um casal homossexual perguntar ao filho "sabes como nescem os bebés", o filho diz com toda a garantia "claro! por adopção!"
Imagem de perfil

De João Carvalho a 09.01.2010 às 14:49

É a continuidade do actual período do leite e da galinha: vêm do supermercado.
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 09.01.2010 às 15:06

E a desilusão do filho não será maior ao saber como nascem os bebés do que o leite e a galinha virem do supermercado ? E o trauma dos putos? Pensarão:... "Então os meus heróis aldrabaram-me durante este tempo todo?"
Imagem de perfil

De João Carvalho a 09.01.2010 às 16:50

Então não há-de vir em continuidade, mas em crescendo.
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 09.01.2010 às 17:29

Caro João não o conhecendo, como diria o Fernando Mendes, é um espectáculo . Alem de ter resposta para tudo, acho que o faz com grande ironia. Ainda bem. Provavelmente será daqueles que explicar aos filhos como nascem é fácil , não será preciso desiludi-los, nem dizer-lhes que vêm no bico da cegonha ou de Paris.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 09.01.2010 às 19:41

Meu caro, nenhum pai que se preze gostaria que o seu filho viajasse no bico de uma cegonha, não é? Já quanto a vir de Paris sempre tem outro requinte, mas isso costuma estar reservado aos pais que moram na capital francesa e poucos mais.
Um abraço.
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 09.01.2010 às 20:01

Os poucos mais não serão assim tão poucos. Basta ver um Verão no litoral português e não é obrigatório ser no Algarve....mas isto são contas de outro rosário.
Abraço e até uma próxima.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 09.01.2010 às 21:15

Eu falei nos que moram em Paris e não nos que são de Paris...

Comentar post


Pág. 1/2





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D