Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Da esperança ao absurdo

por Leonor Barros, em 03.02.09

Quando Maria de Lurdes Rodrigues assumiu a pasta da Educação, e mesmo depois de algumas tomadas de posição, esperei pacientemente antes de me indignar, dei-lhe e dei-me tempo, li e reli documentos, legislação, tentei desligar-me da habitual resistência à mudança, convicta, hoje ainda, de que urgia/urge uma mudança de rumo na educação deste país e certa de que as mudanças não se operam sem ondas de choque.
Cerca de três anos passaram. Três anos de lutas e de resistência, três anos de insultos e julgamentos em praça pública pelos doutos achistas deste país, gente que muito sabe sobre todos os assuntos e que tem sempre, em coabitação com outros especialistas sapientes, um pedagogo excelso.
E nestes anos desapareceu por completo o laivo de esperança na mudança. Um modelo de gestão salazarento permitindo que pequenos ditadores mostrem as garras e exijam que se faça como querem independentemente da justiça ou legitimidade perante os seus pares, um Estatuto da Carreira Docente perverso, um modelo de avaliação kafkiano, desprovido dos mais elementares princípios de rigor e competência que transformou as escolas num labirinto burocrático e que abre portas a um amiguismo preocupante, e leis que não passam pela cabeça de ninguém, sucessivamente revistas, mostrando claramente a incapacidade do Ministério da Educação e o desconhecimento do terreno.

Esta manhã surgiu mais uma notícia absurda que dá conta que os professores reformados podem, em regime de voluntariado, prestar serviços na Escola. Os mais de quatro mil professores que pediram a reforma no ano de 2008, alguns com prejuízo das suas reformas, deveriam ser suficientemente eloquentes para entender que eles não querem voltar e que, caso o Ministério precise de mais profissionais, deve contratá-los.
Três anos depois não há esperança.

Autoria e outros dados (tags, etc)


16 comentários

Sem imagem de perfil

De Amêijoa Fresca a 03.02.2009 às 20:45

O absurdo destroçou,
nuns anitos de permeio,
a confiança que restou
neste (des)Governo sem esteio.

A propaganda da mudança,
toda ela brilhante,
não merece confiança
por ser tão delirante!

A prosápia dos “achistas”,
enfáticos de sapiência,
são tudo menos especialistas
da arte da docência.
Sem imagem de perfil

De João Pinto e Castro a 03.02.2009 às 20:49

Reter a indignação por tanto tempo faz mal à saúde.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 04.02.2009 às 00:16

Absurdo, de facto, imaginar que os professores reformados querem voltar para o inferno em que as escolas se tornaram. Porque será que o governo acha que os professores são masoquistas??
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.02.2009 às 13:56

Um absurdo e um total desconhecimento das razões que levaram os professores a pedir a reforma, Ana . Um dos serviços em que os professores reformados podiam ajudar era , por exemplo, em visitas de estudo. Mas passará pela cabeça destes iluminados o stresse e energia que envolvem uma vista de estudo? Desculpa o desabafo. Beijinho
Sem imagem de perfil

De joão silva a 04.02.2009 às 09:08

naturalmente que para a senhora leonor tudo estava bem antes: problemas na colocação dos professores em setembro e ministros reféns dos sindicatos durante o resto do ano. pergunto se a senhora leonor terá crianças para poder verificar as mudanças positivas que houve na escola (actividades extracurriculares no básico, aulas de substituição no secundário, computadores para alunos do básico e secundário, reorganização da rede escolar do básico e secundário, colocação de professores por 3 anos, recuperação de alunos para cursos profissionais, diminuição de desemprego dos professores et j'en passe). realmente o que é mesmo bom é não fazer nada (vide david justino e maria do carmo ...). com opiniões destas é natural os comentadores depois ficarem surpreendidos com os resultados das sondagens.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.02.2009 às 09:16

Só para lhe dizer que não gostei do seu «senhora leonor» duas vezes no texto. Não gostei mesmo. Fica o aviso.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.02.2009 às 13:54

Obrigada, João.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 04.02.2009 às 10:30

9.08: Os assessores governamentais andam a sair mais cedo da caminha. O caso Freeport obriga...
Coitados, a crise chega a todos.
Sem imagem de perfil

De joão silva a 04.02.2009 às 15:31

enfim.. o habitual nestas coisas: se não estamos de acordo somos assessores governamentais. quanto à senhora leonor , deverei eu chamar-lhe senhor?
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.02.2009 às 15:50

Deve chamar-lhe o que as regras da boa educação lhe indicarem. Se não o fizer, vai dar-se mal aqui, porque não costumamos ter muita paciência para ensinar a tomar chá. Menos ainda para graçolas de mau gosto. Segundo aviso.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.02.2009 às 13:53

Aprendeu bem a lição com o Alberto João Jardim, o cúmulo da boçalidade, para quem todos são senhores. Agradeço, aliás exijo, que caso se dirija a mim uma próxima vez, o faça sem o senhora. E quem lhe diz que eu não vejo algumas mudanças positivas? Umas não podem e nem devem apagar as péssimas que cito no meu comentário. Por razões éticas óbvias reservo-me o direito de não enumerar os casos concretos e situações que roçam a aberração. O mundo não é a preto e branco mas o que aí está é muito mau, só não vê quem usa as palas deste governo em vez de usar bom senso, inteligência e pragmatismo.
Sem imagem de perfil

De Ana Cristina Leonardo a 04.02.2009 às 14:26

pergunto se a senhora leonor terá crianças para poder verificar as mudanças positivas que houve na escola

Senhor Silva, eu por acaso tenho, e não são todas da mesma geração. e mudanças positivas, assim que me lembre, só se for terem alargado o horário de fábrica das 8h30 para as 8h15m. quanto a laboratórios de ciências, visitas de estudo, ginásios apetrechados, estudo acompanhado a sério, actividades extra-curriculares (ah! a música que faz tão bem ao cérebro das criancinhas...) e, já agora, programas com pés e cabeça, só se for na escola dos filhos do senhor silva, supondo que os deve ter para falar com tanta propriedade. se quiser recomendar, agradecida
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.02.2009 às 15:01

Remeto a boçalidade de Alberto João Jardim que referi no comentário a João Silva para este comentário.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 05.02.2009 às 13:20

Peço desculpa, Ana Cristina, admito que fiquei surpreendida, mas não percebi que citava o comentário anterior.
Imagem de perfil

De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 05.02.2009 às 19:12

Olá, Leonor!
Gostei imenso deste seu "post"!
Também dediquei um "post" à Educação e à Escola Pública, no "vozes_dissonantes".
Um abraço!
Ana
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 05.02.2009 às 21:55

Obrigada, Ana, o desalento é muito. É inadmissível criar um Estatuto da Carreira Docente e um modelo de avaliação geradores de injustiças e tanta instabilidade.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D